FELICIDADE E CULPA: duas companheiras inseparáveis da Mãe Cristã! *Reflexão para os Pais*

Um sonho!!!! Ser mãe é o sonho de muitas mulheres! Algumas nutrem esse sonho desde muito novas. Outras descobrem  esse sonho quando casam e querem perpetuar essa união através dos filhos. Outras descobrem que isso era um sonho somente depois de tentar engravidar e não conseguir. A maternidade é, especialmente nessa época do ano, romantizada e idealizada. É um tempo diferente, de algum reconhecimento, muito comércio e excessivo marketing em torno do "Ser Mãe".

Nessa época vêm à tona também a culpa e a felicidade, duas companheiras inseparáveis das mães. Estamos sempre nos sentindo culpadas por não conseguirmos ser a Mãe Perfeita, mas felizes pela oportunidade de ser mãe. Não importa qual a realidade de cada mãe, quantos filhos tem, classe social.... Todas somos felizes por podermos ser Mães e todas carregamos a culpa por não sermos uma mãe perfeita!



São muitos desafios, muitas lutas, afazeres sem fim, viroses, dificuldades escolares, fases diferentes de cada filho, rotina, uso da tecnologia, amizades, necessidade de diálogo... Muitas frentes a serem trabalhadas com nossos filhos. E por mais que tentemos ser mil ao mesmo tempo, em uma conversa com outra mãe, ou em um post na internet, descobrimos aqui e acolá, algo que estamos esquecendo de fazer, uma área da vida dos nossos filhos que não estamos dando a atenção devida, ou algo a que poderíamos estar dando um enfoque diferente. Ah não! Lá vem ela de novo! A velha amiga culpa.... "E agora? O que será do meu filho? Por que eu não consigo ser uma mãe boa como a fulana? Por que não pensei em fazer isso igual a Sicrana? Os filhos dela estão mais desenvolvidos... Meu filho vai ficar para trás! E a culpa é minha!"

Tenho vivido a incessante busca de ser a melhor mãe que posso ser. Mas tenho que me lembrar constantemente que sou uma mãe pecadora, limitada, carente da graça de Deus todos os dias, para continuar lutando contra a velha natureza que habita em mim. Na minha busca por ser a melhor mãe, não posso esquecer que jamais serei uma mãe perfeita. Quando a culpa vem, a velha companheira culpa, tenho que lembrar a mim mesma que é a misericórdia e a graça de Deus que vão acompanhar meus filhos e dar a eles o que eu falhei em prover. Preciso lembrar que meus filhos não são um troféu que vou erguer para mostrar ao mundo o quão eficiente fui como mãe! Não!!!!! Meus filhos são um sinal constante da graça e da misericórdia de Deus me lembrando que apesar de eu ser como sou, Deus pode fazer deles um instrumento para o Reino do Senhor, luzeiros em meio a uma geração corrupta.

Então, mais uma vez, sou lembrada de que não é sobre mim, é sobre Jesus. Eu não sou a fonte da graça, mas sou o foco da graça de Cristo. Eu não sou geradora de graça para meus filhos, mas sou o canal que transmite a eles a graça que Cristo me dá constantemente. Vejo então que as maiores lições que ficarão para meus filhos não serão do que fiz certo, das vezes que a rotina saiu como planejada, de como consegui que eles aprendessem aquela matéria. O que mais vai ficar na mente deles é como reagi quando eu falhei com eles, quando reconheci minha incapacidade e pedi perdão, que palavras saíram da minha boca quando eles falharam na escola e não conseguiram aprender, como lidei com as frustrações e pecados com os quais eles estavam lutando. No fim, o que conta mesmo é o exemplo de como vivemos. Em um mundo tomado por performance, preciso vigiar para não confundir meu papel de mãe. Preciso me colocar no meu devido lugar, debaixo da graça de Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário