DEPRESSÃO INFANTIL! Onde está a esperança das nossas crianças? *Reflexão para os Pais*

Durante muito tempo pensamos que as crianças, cheias de vida e de alegria, não seriam jamais atingidas por males como depressão, ansiedade, síndrome do pânico, transtornos mentais e suicídio. Mas os números dos últimos anos tem mostrado o contrário. Cada vez mais crianças sofrem com esses distúrbios da alma. Na última década o número de crianças com depressão chegou a dobrar.

Precisamos refletir: O que tem levado tantas crianças a estarem constantemente deprimidas?



Sabemos que o príncipe desse mundo há muito tenta escravizar o maior número de crianças possível. Ele sabe bem que uma criança ganha para Jesus é uma vida inteira dedicada a ser sal e luz. Por isso, Satanás tem criado armadilhas diversas para aprisionar as crianças no pecado e afastá-las do Cristo Salvador. O consumismo, a ansiedade, a erotização, o isolamento pela tecnologia, a destruição das famílias, todos esses fatores tem sido estratégias para destruir a infância, a inocência das crianças, fazendo com que as características próprias da infância, que tornam as crianças mais abertas ao Evangelho, estejam cada vez mais raras entre os pequeninos.

Uma das maiores influências que nossas crianças recebem é a educação formal, na escola. Na era da pós-modernidade o lema geral é questionar, desacreditar, desconstruir. Assim, o pós-modernismo, ao questionar e negar o modernismo, propõe que não há verdade absoluta. Mas a criança necessita de absolutos! Ela precisa saber o que é o certo e o errado. A criança por si mesma não possui ainda um código de valores morais consistente para discernir sozinha sobre todas as complicações desse mundo. Ela precisa de ensino e direcionamento.

Ao apresentar o absoluto da Palavra de Deus, da pessoa de Deus, da condição do homem, da salvação em Cristo, estamos dando às crianças uma razão para sua existência e uma esperança quanto ao futuro. Cada criança existe porque Deus a planejou, a criou e a ama. Não importa o que ela esteja passando hoje, há um Deus vivo e real que cuida dela e com quem ela pode contar.

Mas onde entra o Deus Criador na educação pós-moderna? As escolas de maneira geral ensinam o Evolucionismo como verdade, como fato, e não como teoria que é. O Criacionismo não é ensinado como proposta teórica de mesmo valor que o Evolucionismo. Pelo contrário, o assunto é sempre tratado com piadas e deboche. Assim, muitas crianças, mesmo de lares cristãos, quando são confrontadas na escola quanto à origem do universo e da humanidade, são levadas a crer que a Bíblia está errada.

Mas, reflita por um instante: Se não é absoluta a veracidade de Gênesis, por que crer que o restante da Bíblia é verdade? Se cremos que ali há apenas uma descrição alegórica, como provar que o relato de morte e ressurreição de Cristo não é também alegoria? Muitas crianças e muitos adolescentes têm se perdido para o que creem ser a verdade da ciência, quando estão apenas sendo enganados por outra fé, a fé de que não há um Deus criador.

Quando aceitamos passivamente a mentira do Evolucionismo, sem estudar com nossas crianças a ciência do Criacionismo, com todas as suas evidências, levando a elas os muitos argumentos que essa teoria traz, estamos tirando delas a confiabilidade das Escrituras. Sem a certeza de um Deus Criador, que a fez com um propósito e que quer ter com ela um relacionamento real, que esperança essa criança tem? Não nos enganemos, todo o sistema está a serviço do príncipe desse mundo. Sejamos sábios e passemos às crianças a única esperança que pode mantê-las longe da depressão: a esperança de uma vida eterna com Jesus, como está prometido na sua Absoluta Palavra!



"Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo e não segundo Cristo."
Colossenses 2:8

Nenhum comentário:

Postar um comentário